quarta-feira, 14 de maio de 2008

Angola em que vivo

Os trajes tradicionais, muito coloridos, enchem os meus olhos de vontade de os ter a todos...

Luanda, 2008
Estou em Angola pela 5ª vez em 3 anos, depois de aqui ter vivido os primeiros 23 anos da minha vida. Esta Luanda já não é a “minha” Luanda, nem o deveria ser. Esta minha Luanda de agora dói-me e enche-me a alma, ao mesmo tempo. O seu crescimento desmesurado, sem estruturas mínimas, provoca um caos enorme. O tráfego automóvel é indescritível, a pobreza vê-se a olho nu.
Mas há um calor humano, uma azáfama incessante, um acreditar contra todo o desespero que me enche de Esperança. Portanto, Raul do Imenso sorriso, quero dizer-te que o prédio da Cuca ainda existe. Lembra-te de que eu sou do tempo da construção da fábrica da Cuca, na Estrada do Cacuaco. Foi o senhor Paulino, um diletante (sei-o agora) que era hóspede em casa do meu pai e o que me disse que o Menino Jesus punha presentes nos sapatinhos, que ganhou o concurso para o primeiro rótulo. Mas na Marginal, o prédio da cerveja rival, a Nocal, ainda é mais alto.
Aliás, a construção vê-se crescer minuto a minuto, em todo o espaço, a uma velocidade e custo inexplicáveis. O espaço é tão valioso como ouro e não consigo imaginar os limites do futuro.
O velho e belo Banco de Angola, ainda é imponente, no seu cor-de-rosa desmaiado por muitos sóis e chuvas. A baía, a minha belíssima e querida Baía de Luanda, aquela que mais se assemelhava a Guanabara, está a ser modificada. Raramente lá passo, mas aperta-se-me o coração ao vê-la, quase toda já tapada com areia. Dizem que é para construir um parque temático, mas, sinceramente, não sei de quê.
O Mussulo, a Corimba, o Cabo Ledo, a Ilha, continuam a ser praias maravilhosas, com água de onde não apetece sair. Nossa Senhora da Muxima continua com a sua festa a 13 de Maio, pois embora Muxima signifique “coração”, Nossa Senhora da Muxima é Nossa Senhora de Fátima.
Ontem houve várias procissões nocturnas, tão parecidas com as nossas que, se fossem de dia e com foguetes, esqueceríamos a falta do rosmaninho e pensaríamos estar a ouvir João Villaret a dizer “A Procissão”…
A Maianga ainda é uma zona nobre, a Cidade Alta está mais reservada, pois aí funciona o Palácio do Governo e várias altas instituições. O velho cinema Restauração foi abaixo e agora está lá o Palácio da Assembleia Nacional. Por detrás, o velho Parque Heróis de Chaves ainda se chama Parque Heróis de Chaves. O Hospital D. Maria Pia dividiu o nome com o da primeira esposa de Samora Machel – Josina Machel.
A Rua dos Combatentes chama-se agora Comandante Valódia, mas por cada uma pessoa que a designa por este nome há dez que lhe chamam simplesmente “os Combatentes”. A Rua D. António Barroso deve ter 50 pessoas a dar-lhe este nome em vez do que lá está na placa e que nem recordo.
Já não há o cinema Miramar, o Nacional chama-se agora “Chá de Caxinde”, o Tropical continua com o mesmo nome. O Mercado de Quinaxixe, situado no Largo do Quinaxixe, que já tinha sido chamado, não sei por que bulas, Largo dos Lusíadas e depois, Largo da Maria da Fonte (!)
continua fechado e a fazer uma falta enorme. A Livraria Lello nem chega a ser uma pálida chama do que foi, mas há-de arribar.
A antiga Câmara, sobre a Mutamba, de onde não saem nem onde chegam machimbombos, é agora o Palácio do Governo da Província de Luanda.
E o povo? O povo é um povo orgulhoso, que quer ter voz activa, que se assume como uma velha civilização, ainda que diferente. Antigas tradições estão a ser recuperadas, mesmo ao nível daquilo que se chama “as melhores famílias”: o alambamento (festa em que o noivo entrega à família da noiva uma espécie de dote ou arras - quem se lembra de “Arras por foros de Espanha? – e tanto maior quanto mais importante ele se quiser fazer ver). Os nomes antigos começam a tornar-se comuns, como Nfulu para menina (quer dizer “bonita”) ou Landas, nome masculino que significa “sábio”. Há muitas crianças, graças a Deus, as mulheres vestem com bom gosto, são bonitas, bem feitas, uma tentação para quem vem sozinho… Os homens são vaidosos, capricham no vestuário e gostam de trazer os sapatos reluzentes de graxa.
Malange, Kibaxi, Viana, Úcua, Sumbe, Gabela, muito envelhecidas porque o seu povo veio para Luanda e não mostra vontade de voltar. O sul, com o seu clima mais ameno, está a crescer mais ordenadamente e está de encher o coração.
Hei, minha gente Africana, chegou? Eu nunca me canso de falar destas terras.

5 comentários:

EMD disse...

E eu, que nunca estive aí, oiço, vejo, sinto e quase cheiro esse retrato animado que a Carmo pinta com as cores do amor.
Beijinhos

Fátima André disse...

Querida Carmo:
Nunca tive oportunidade de pisar essas paragens. Mas o retrato passa como filme, as imagens são níticas, como se estivesse a pisar esse chão, a tocar essas águas, a beijar rosto a rosto...
Obrigada pela belíssima narrativa. Obrigada por estes momentos tão felizes
:)

Anabela Magalhães disse...

Não chegou, Carmo. Tens por isso licença para continuar. É que eu, sem conhecer nada disto, fiquei presa ao teu texto e com vontade de saber mais.

Raul Martins disse...

São tão belas e reais estas decrições que parece que estamos aí.Ainda bem que o calor humano suplanta a pobreza.Mas é pena que o crescimento seja desmesurado e se estrague a beleza de monumentos naturais como a Baía de Luanda. E sinto mágoa por Malange estar ao abandono. Também por lá passei muitas das minhas férias... lembro-me do algodão! E das quedas do Duque de Bragança. O meu tio, senhor Carlos Borrego tinha lá uma pensão.
Fico mais tranquilo por saber que para sul as coisas vão crescendo mais ordenadamente.
E a descrição da festa de Nossa Senhora da Muxima fez-me lembrar a Nossa Senhora da Graça perto da minha cidade de Benguela. Saudades.
Um sorriso!

I LOVE YOU disse...

走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,成人遊戲,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,美女,成人圖片區,avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站,成人論壇,080聊天室,080苗栗人聊天室,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,聊天室