quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Pessoas que nos fazem melhores

Depois de quase um ano de ausência, voltei. Espero ter voltado para ficar.
Bem, quero recomeçar com um pouco de coisas boas. Por exemplo, falando do almoço que foi oferecido à Paula Aires Pereira, na Filipa de Vilhena, no dia 1. Não vou falar dela, da Paula. Quem a conhece, sabe. Quem não a conhece, não ficaria a saber mais, porque não seria possível fazer-lhe justiça em palavras.
Acontece que "botei palavra" e contei algo que gostaria de escrever aqui, até porque algumas pessoas então presentes estariam interessadas em voltar a ter acesso ao que disse.
Como os que me conhecem sabem, tive a sorte de nascer pobre e a felicidade de ser criada numa casa onde se compravam livros ao quilo para usar com o papel de embrulho. Li tudo o que pude antes de os livros seguirem o seu destino inexorável a embrulhar açúcar, cafe, massa de tomate, arroz, etc. Sempre com um aperto no coração.
Um dia, teria eu os meus 10 anos, ( e já se passam quase mais 60) li algo num exemplar das Selecções do Reader's Digest que nuna mais esqueci. Foi essa pequena estória que usei para fazer o elogio da Paula. Aqui a partilho:
Uma senhora americana de origem índia trabalhou durante alguns anos a limpar a casa de uma família, até que um dia, com muita pena, os patrões tiveram que lhe dizer que tinham de prescindir dos seus serviços, porque não podiam pagar-lhe. Ela lamentou e disse-lhes, à despedida:
-Queria agradecer-vos, porque foi muito bom para mim trabalhar aqui. Gostei sempre mais de mim quando estava convosco.
Que enorme elogio!
Pois foi isso que senti com a Paula: ela tem essa extraordinária capacidade de puxar para fora o que temos de melhor. Também eu gostava mais de mim quando trabalhava com ela!.
Paula, obrigada por tudo o que me deste e, especialmente, por me teres feito gostar de mim.
Que Deus te abençoe.

2 comentários:

Anabela Magalhães disse...

E cá estou eu para te dar as boas-vindas aqui à blogosfera!
Fiquei contente por teres passado pelo meu espaço, de quando em vez falamos de ti por lá, e no espaço do Raúl também.
É desta que não nos foges?
Excelente regresso e beijocas com muitas saudades...

p disse...

Carmo Amiga
Conheci-te (muito mal) na OM entre 1980-83. Quando me apercebi das tuas qualidades humanas e das tuas muitas competências (e para isso tenho algum faro)logo te apanhei para o CE.No nosso dia-a-dia directivo, lembro a capacidade de resolução de problemas, as madrugadas em que despachavas ofícios e coisas chatas antes de chegarmos, a energia inesgotável, a boa disposição. Não posso deixar de te associar ao discreto Manel,sempre com aquele sorriso doce, às vezes irónico, mas que achava graça a tudo o que fazias.
Conta sempre comigo. Um beijo grande.Paula