quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Em tempo de crise... quanto menos se falar melhor

Na entrada deste blogue tenho-me situado entre o Porto e algures em Angola e Moçambique. Agora, para ser mais verdadeira, deverei dizer que me situo algures entre o Porto, Lisboa, Angola e Moçambique, embora por este ano de 2008 me deva circunscrever às duas cidades portuguesas.
Tenho andado calada, por várias razões: tenho novas responsabilidades na minha vida pessoal, tenho tido tarefas para cumprir aqui em Portugal ligadas às minhas actividades africanas, tenho naturais preocupações com a crise financeira (tenho filhos e netos e, por eles, temo o futuro), tenho andado à espera que assente a poeira docente.
Sim, sinto que está muita poeira levantada, e quando tal acontece sem ter uma causa natural (um vendaval, por exemplo), normalmente é para obscurecer qualquer coisa que não interessa que se veja. A senhora ministra dá entrevistas e continua a mostrar que tem os Professores em pouca conta. Alguns professores resolvem dar-lhe razão e fazem gala de mostrar em público atitudes que não os recomendam para a docência.
Fico incomodada quando os professores se expõem de forma menos própria, pois sinto que os melhores, os Professores, acabam por ser penalizados na opinião pública. E tal é injusto. Não acredito, há séculos, nos sindicalistas que não dão aulas, que se preocupam com as "carreiras" mas não com o trabalho dos Professores, sobretudo os mais jovens, nas escolas periféricas. Comecei ontem a ler "A Turma", e quase não consigo parar de ler, mas acabo por sentir que estou apenas a rever os martírios por que passou a Rosinha numa Escola dos arredores lisboetas, sem nunca ter tido o apoio de ninguém, dos colegas mais velhos ao sindicato, dos directores de turma ao Conselho Executivo.
A Rosinha (nome fictício de uma pessoa real) teve a sorte de, logo a seguir, ter sido colocada numa Escola do Porto. Logo no primeiro dia de aulas houve queixas dos alunos junto da direccão. No dia seguinte, eram os pais. A Rosinha apresentava-se vestida de preto, com uns óculos de aros pretos, feios, com o cabelo apertado num rabo de cavalo. Logo na apresentação disse aos alunos que não estava interessada em que gostassem dela. Ela estava ali para ensinar Inglês e não para gostar ou para que gostassem dela. Estranho, no mínimo.
As coisas poderiam ter tomado o caminho natural destas situações: inquérito, chamada ao C.E., palmadinhas nas costas aos pais e aos alunos, mas aquele C.E. n ão agiu assim. Um dos seus membros convidou a Rosinha para almoçar em sua casa, pediu-lhe que tirasse os óculos, que soltasse o cabelo e viu que estava perante uma jovem e bela Professora assustada. Os óculos não tinham graduação. A Rosinha contou todas as suas ilusões desfeitas, a vontade de encontrar outra actividade, o abandono em que se encontrava depois de um ano em que tinha sido sujeita às provas mais difíceis e ofensivas junto de alunos a roçar a marginalidade. E recebeu a certeza de que ali, naquela Escola, ela poderia gostar dos Alunos e deixar que eles gostassem dela. Ela poderia apresentar-se com o era, com a certeza de que não seria incomodada com piropos torpes. Ela poderia acreditar que, se fosse preciso, receberia a ajuda necessária. Hoje, é uma PROFESSORA sem medos, confiante.
Será que ela pensa que está tudo bem na Escola? Não. Ela sabe que não está. Mas sabe que pode ajudar a melhorar.
Os docentes tiveram que receber formação por causa do computador Magalhães. Avaliaram essa formação como inadequada, mal preparada, sem ligação aos objectivos que se pretendiam atingir. Que fizeram? Eu não gostei de os ver a fazer figuras ridículas. O que eu teria feito seria não só rebelar-me contra essa formação mas ainda explicitar muito claramente junto de quem de direito por que não estava de acordo com ela. Tudo o resto me faz lembrar a teoria do "quanto pior, melhor".
Também não tive ainda o gosto de ver Professores e Pais a manifestarem a sua preocupação por se entregarem computadores a mãozinhas que deveriam treinar a motricidade fina a pegar no lápis e desenhar letras. O computador no 1º ano? Só como brinquedo. E se se pode aprender a brincar, não será certamente com o computador.
Sei que há muitas razões de queixa contra a avaliação. Mas aquela que tenho mais mencionada ultimamente é a da papelada burocrática. E quem aparece mais papista do que o papa na situação? Muitas Direcções das Escolas.
Espero que a Anabela, a Teresa (da Teia), o Raul, o Existente Instante, o Cumpadre Besberto, o Clap, a Fátima, a Paula, o Zé, o Luís, em nome de todos os que não conheço, me compreendam. Sei o sacrifício que fazem todos os dias, sei como dedicam todo o seu tempo aos Alunos (o que não quer obrigatoriamente dizer escola), sei como chegam cansados ao fim do dia, mas também sei como resistem à tentação de deixar de serem o que sempre foram: excelentes Professores! Mesmo que a famosa curva de Gauss não contemple tantos excelentes...
Quanto à crise, continuamos a viver alegremente acima das nossas posses. Tudo porque "esta vida são dois dias e quem vier atrás que feche a porta"...

7 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Excelente post. Subscrevo tudo o que dizes. De facto vivemos tempos medíocres. E a mediocridade está no meio de nós. Incomoda-me mais o ataque dos pares do que o ataque da tutela. E o ataque da tutela já chegava, garanto-te. Um destes dias, cheguei a casa tão exausta e com tanto ainda por fazer, que desatei a chorar sem conseguir parar. Em tantos anos de serviço nunca me aconteceu semelhante e tu sabes que eu adoro trabalhar e tu sabes que eu trabalho no duro com e para os meus alunos. Daí o meu desespero, sem tempo para olhar para as aulas do dia seguinte. Tenho tudo preparado mas gosto de, calmamente, recapitular tudo no dia ou noite anterior. Um sufoco de início de ano, na minha escola arrasador.
Fica bem. Penso muitas vezes em ti e pergunto-me porque não deixas um rasto perfumado pela minha casa...
Beijinhos

Raul Martins disse...

Se vos compreendo Carmo e Anabela, se vos compreendo! E não podemos é o aceitar "quem vier atrás que feche a porta..."
.
Esperemos que a poeira assente...
.
Não conheço "A Turma" mas pela breve resenha que aqui deixas procurarei lê-lo.
E quantas Rosinha(o)s...
.
Hoje a Jénny, do 6º A, veio deixar-me um papelzinho para ti. Aqui fica:

Olá Avó Pirueta!
Espero que esteja a correr tudo bem consigo. Por cá as coisas estão a correr lindamente e a oliveira que aqui plantámos consigo está vistosa. Os seus ramos estão a fortalecer cada vez mais e as folhas estão verdinhas da cor da esperança.Um beijinho muito grande para si. Saudades.
.
Carpe diem!

RENARD disse...

Ouma:

Still miss you. Hope everything is ok with you... Far from the eyes but always in my heart. I'm never going to give up on you... I have to take care of those who cativate me...

Kiss and strong hug

Francisca disse...

Avó Pirueta:

Parabéns por este seu espaço. Este último post põe bem o dedo na ferida.

Mas, tal como diz, no meio desta poeira os Professores continuam a fazer milagres.
Convido-a a entrar num espaço que renasceu há poucos dias, numa Escola do "deserto", um espaço de Professores e Alunos, feito à pensar, sobretudo nos alunos.

A porta está aberta à sua visita e à sua opinião em:

http://bibliotecaportaberta.blogspot.com/

Abraço

Pedrita disse...

realmente percebi o seu silêncio. sinto sua falta. eu acho que vc mostrou duas questões complexas. educação e política. um dirigente, por birra política não ter em conta professores está equivocado. independente da forma como os professores se manifestam, ela tem que lembrar que o ensino é fundamental para o desenvolvimento de qualquer país. que boas remunerações, estímulos a atualizações, criações de cursos de reciclagem são fundamentais para qualquer país. então se os professores se mobilizam bem ou mal isso é o que menos importa. não acha? beijos, pedrita

JMA disse...

Bem-vinda. Sempre que te apetecer partilhar.

geocrusoe disse...

é verdade que não sou professor, já exerci a profissão poucos anos, não a segui por que achei que seguia-se um rumo no ensino que não me cativava a ser parte desse sistema. Mas dar-se ao respeito julgo ser fundamental para se ser professor, e para isso não conheço sindicalista que saiba (ou queira) preocupar-se. mas calar perante a crise, os problemas... não! é mesmo feitio meu protestar (excepto no geocrusoe que é um espaço intencionalmente pouco interventivo também necessito de espaços calmos de vez em quando onde falo de sonhos meus)