terça-feira, 12 de agosto de 2008

Eufemismos


Vivam todos os Amigos que aqui fiz e que devem estar mais ou menos todos a gozar merecidas férias. Tenho achado um tanto ou quanto digno de menção o facto de a maior parte das pessoas com quem tenho contactado só se considerarem estar de férias quando partem para algum lado.
Ora eu que, neste momento, profissionalmente, digamos que estou sempre de férias, lembro-me de que "férias era (e ainda é) sair da rotina, fazer coisas diferentes. E uma delas era gozar, usufruir, a minha casa, em que passava tão pouco tempo durante o dia. Férias, para mim, significavam uma grande volta à casa, às coisas, aos hábitos domésticos, assim como que um "retiro de ménage". E uma ou duas semanas na casa da aldeia.
Depois, férias significaram, durante anos, além do retiro doméstico, (não esqueçamos que esse eram já muito boas férias) campismo (ou antes, caravanismo), pic-nics, em que o Pai ensinava aos filhos os nomes das plantas, dos animais, das rochas. Em que se oferecia um "Corneto" a quem lavasse a louça toda bem lavada e a arrumasse nos sítios. Até que eles casaram e férias eram o retiro mais um passeio a dois por Portugal e pela Galiza, de carro, sem destino marcado, ao correr da nossa vontade.
Agora, que não tenho rotinas, é sempre férias, mesmo em casa. Mas quando saio olho bem para o que se vê por essa cidade fora e um dia destes, ia eu com um bom Amigo (agora não é eufemismo...) e vimos este anúncio, ali para os lados do Carvalhido e não pudemos deixar de soltar uma bela e saborosa gargalhada: Cirurgião de esgotos! Em Português e em Inglês! É assim mesmo!
Pois é assim mesmo porque nós vivemos num tempo de eufemismos. Não se reprova - fica-se retido; não se morre -falece-se; as oficinas que lavam carros chamam-se agora "estética-auto". E esta falência generalizada em que, pelo menos aparentemente, se vive, designa-se por "crise".
Pois é, eu tencionava ter começado ontem mas estava à espera de boas notícias para comentar ou apresentar. E dessas apenas posso referir que a minha empregada interrompia todos os dias as suas merecidas férias para vir regar o meu jardim varandal enquanto estive na aldeia. É ou não digno de nota?

8 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Kakakakaka... é digno de nota. Seja bem reaparecida na sua casa. Com que então andou a espalhar o seu charme pela blogosfera mais ou menos anonimamente!!!!!
Bom regresso, cá estamos a acompanhar os teus textos... bem humorado, este, como convém a um regresso a casa.
Bjs

CLAP!CLAP!CLAP! disse...

É sempre uma escrita saborosa fresca e escorregadia, a sua...
Por aqui só tínhamos dado conta dum tal " Desintope"... mas esse Dr. Mabus é genial! É assim mesmo, a coisa lá vai andando e evoluindo! pena ser tudo muito marktinzado!...e já agora, leu a noticia do nosso Sokas acerca dos 200 mais bem-vestidos do mundo?

Anabela Magalhães disse...

E sim, temos muito em comum.
Beijocas

ematejoca disse...

Bem, eu voei muitos quilómetras, da minha casinha até a Portugal, e no entanto, não me considero em férias. Só há festas e mais festas. Jantares e mais jantares. O meu figado e a minha "linha" estão de rastos.
Adoro estar na minha Pátria, mas é uma estadia muitíssimo cansativa.
Dar passeios na floresta em Duesseldorf é óptimo para o corpo e para a alma.
Bj**********

CLAP!CLAP!CLAP! disse...

MTJ: fale-nos dessa floresta...

Passiflora Maré disse...

Abuelita gostei de a ver de volta, e achei deliciosa a foto e as implicações da mesma!

Pedrita disse...

eu preciso de umas férias! beijos, epdrita

besbertocharrua disse...

avó pirueta cagente táva acim de muntas sôdades. ai cagente riu munte queu fui sempere cavadore cagora déve sêre ingenheire da inxada né? foi a nha maria quinventô ésta. um abracinhe de munta amizade dagente