quinta-feira, 12 de junho de 2008

Esta mensagem tem destinatário. Ele/ela se reconhecerá

Antes de mais nada, quero agradecer à minha muito Querida Isaura ter-me mandado este conto. Que eu vou passar a quem dele precise. Com Amor.

O fio mágico
Era uma vez uma viúva que tinha um filho chamado Pedro. O menino era forte e saudável, mas não gostava de ir à escola e passava todo o tempo a sonhar acordado.
— Pedro, com o que estás sonhar a uma hora destas? — perguntava-lhe a professora.
— Estava a pensar no que serei quando crescer — respondia ele.
— Sê paciente. Tens muito tempo para pensar nisso. Depois de crescido, nem tudo é divertimento, sabes? — dizia ela.
Mas Pedro tinha dificuldade de apreciar alguma coisa que estivesse a fazer no momento, e ansiava sempre pelo que vinha a seguir. No Inverno, ansiava pelo retorno do Verão; no Verão, sonhava com passeios de esqui e trenó. Na escola, ansiava pelo fim das aulas, para poder voltar para casa; e, nas noites de domingo, suspirava dizendo: "Ah, se as férias chegassem depressa!"
O que mais o entretinha era brincar com a amiga Lise. Era uma companheira tão boa como qualquer rapaz, e a ansiedade de Pedro não a afectava nem ofendia. "Quando crescer, vou casar‑me com ela", dizia Pedro consigo mesmo.
Costumava perder-se em caminhadas pela floresta, sonhando com o futuro. Às vezes, deitava-se ao sol sobre o chão macio, com as mãos postas sob a cabeça, e ficava a olhar o céu através das copas altas das árvores. Uma tarde quente, quando estava quase a cair no sono, ouviu alguém a chamar por ele. Abriu os olhos e sentou-se. Viu uma mulher idosa de pé à sua frente. Ela trazia na mão uma bola prateada, da qual pendia um fio de seda dourado.
— Olha o que tenho aqui, Pedro — disse ela, oferecendo-lhe o objecto.
— O que é isso? — perguntou, curioso, tocando o fino fio dourado.
— É o fio da tua vida — retrucou a mulher. — Não toques nele e o tempo passará normalmente. Mas se desejares que o tempo ande mais depressa, basta dares um leve puxão ao fio e uma hora passará como se fosse um segundo. Mas devo avisar-te: uma vez que o fio tenha sido puxado, não poderá ser colocado de volta dentro da bola. Ela desaparecerá como uma nuvem de fumo. A bola é tua. Mas se aceitares o meu presente, não contes a ninguém; se não, morrerás no mesmo dia. Agora diz-me, queres ficar com ela?
Pedro tomou-lhe das mãos o presente, satisfeito. Era exactamente o que queria. Examinou-a. Era leve e sólida, feita de uma única peça. Havia apenas um furo de onde saía o fio brilhante. O menino colocou-a no bolso e foi a correr para casa. Quando chegou, depois de se certificar da ausência da mãe, examinou-a outra vez. O fio parecia sair lentamente de dentro da bola, tão devagar que era difícil perceber o movimento a olho nu. Sentiu vontade de lhe dar um rápido puxão, mas não teve coragem. Ainda não.
No dia seguinte, na escola, Pedro imaginava o que fazer com o seu fio mágico. A professora repreendeu-o por não se concentrar nos deveres. "Se ao menos", pensou ele, "já fossem horas de ir para casa!" Tacteou a bola prateada que se encontrava dentro do bolso. Se desse apenas um pequeno puxão, logo o dia chegaria ao fim. Cuidadosamente, pegou no fio e puxou. De repente, a professora mandou que todos arrumassem as suas coisas e fossem embora, organizadamente. Pedro ficou maravilhado. Correu sem parar até chegar a casa. Como a vida seria fácil agora! Todos os seus problemas haviam terminado. Dali em diante, passou a puxar o fio, só um pouco, todos os dias.Entretanto, logo se apercebeu que era tolice puxar o fio apenas um pouco todos os dias. Se desse um puxão mais forte, o período escolar estaria concluído de uma vez. Poderia aprender uma profissão e casar-se com Lise. Naquela noite deu, então, um forte puxão ao fio, e acordou na manhã seguinte como aprendiz de um carpinteiro da cidade. Pedro adorou a sua nova vida, subindo aos telhados e andaimes, erguendo e colocando, à força de martelado, enormes vigas que ainda exalavam o perfume da floresta. Mas, às vezes, quando o dia do pagamento demorava a chegar, dava um pequeno puxão ao fio e logo a semana terminava, já era a noite de sexta-feira e ele tinha dinheiro no bolso.Lise também se mudara para a cidade e morava com a tia, que lhe ensinava os afazeres do lar. Pedro começou a ficar impaciente a respeito do dia em que se casariam. Era difícil viver, ao mesmo tempo, tão perto e tão longe dela. Perguntou-lhe, então, quando se poderiam casar.
— No próximo ano — disse ela. — Eu já terei aprendido a ser uma boa esposa.
Pedro tocou com os dedos a bola prateada dentro do bolso.
— Ora, o tempo vai passar bem depressa — disse, com muita certeza.Naquela noite, não conseguiu dormir. Passou o tempo todo agitado, virando-se de um lado para o outro na cama. Tirou a bola mágica que estava debaixo do travesseiro. Hesitou um instante, mas logo a impaciência o dominou, e ele puxou o fio dourado. Pela manhã, descobriu que aquele ano já havia passado e que Lise concordara afinal com o casamento. Pedro sentiu-se realmente feliz.Mas antes que o casamento pudesse realizar-se, recebeu uma carta com aspecto de documento oficial. Abriu-a, trémulo, e leu a notícia de que deveria apresentar-se no quartel do exército na semana seguinte para servir por dois anos. Mostrou-a, desesperado, a Lise.
— Ora — disse ela — não há nenhum problema, basta-nos esperar. Mas o tempo passará depressa, vais ver. Há tanto que preparar para nossa vida a dois!
Pedro sorriu com galhardia, mas sabia que dois anos durariam uma eternidade a passar.Quando já se acostumara à vida no quartel, entretanto, começou a achar que não era tão má assim. Gostava de estar com os outros rapazes, e as tarefas não eram tão árduas como a princípio. Lembrou-se da mulher que aconselhara a usar o fio mágico com sabedoria e evitou usá-lo por algum tempo. Mas depressa voltou a sentir-se inquieto. A vida no exército entediava-o, com as suas tarefas de rotina e a sua rígida disciplina. Começou a puxar o fio para acelerar o decurso da semana, a fim de que chegasse logo o domingo ou o dia da sua folga. E assim se passaram os dois anos, como se fosse um sonho.Terminado o serviço militar, Pedro decidiu não mais puxar o fio, excepto por uma necessidade absoluta. Afinal, era a melhor época da sua vida, conforme todos lhe diziam. Não queria que acabasse assim tão depressa. Mas deu um ou dois pequenos puxões ao fio, só para antecipar um pouco o dia do casamento. Tinha muita vontade de contar a Lise o seu segredo; mas sabia que, se contasse, morreria.No dia do casamento, todos estavam felizes, inclusive Pedro. Mal podia esperar para lhe mostrar a casa que construíra para ela. Durante a festa, lançou um rápido olhar na direcção da mãe. Percebeu, pela primeira vez, que o cabelo dela estava a ficar grisalho. Envelhecera rapidamente. Pedro sentiu uma ponta de culpa por ter puxado o fio com tanta frequência. Dali em diante, seria muito mais parcimonioso no seu uso, e só o puxaria se fosse estritamente necessário.Alguns meses mais tarde, Lise anunciou que estava à espera de um filho. Pedro ficou entusiasmadíssimo, e mal podia esperar. Quando o bebé nasceu, ele achou que não iria querer mais nada na vida. Mas, sempre que o bebé adoecia ou passava uma noite em claro a chorar, ele puxava um pouco do fio para que o bebé tornasse a ficar saudável e alegre.Os tempos andavam difíceis. Os negócios iam mal e chegara ao poder um governo que mantinha o povo sob forte opressão e pesados impostos, e não tolerava oposição. Quem quer que fosse tido como agitador era preso sem julgamento, e um simples boato bastava para se condenar um homem. Pedro sempre fora conhecido por dizer o que pensava, e logo foi preso e lançado na cadeia. Por sorte, trazia a bola mágica consigo e deu um forte puxão ao fio. As paredes da prisão dissolveram‑se diante dos olhos e os inimigos foram arremessados à distância, numa enorme explosão. Era a guerra que se insinuava, mas que logo acabou, como uma tempestade de Verão, deixando o rasto de uma paz exaurida.
Pedro viu-se de volta ao lar com a família. Mas era agora um homem de meia-idade.Durante algum tempo, a vida correu sem percalços, e Pedro sentia-se relativamente satisfeito. Um dia, olhou para a bola mágica e surpreendeu-se ao ver que o fio passara da cor dourada para a prateada. Foi olhar-se ao espelho. O cabelo começava a ficar-lhe grisalho e o seu rosto apresentava rugas onde nem se podia imaginá-las. Sentiu um medo súbito e decidiu usar o fio com mais cuidado ainda do que antes. Lise dera-lhe outros filhos e ele parecia feliz como chefe da família que crescia. O seu modo imponente de ser fazia as pessoas pensarem que ele era algum tipo de déspota benevolente. Possuía um ar de autoridade, como se tivesse nas mãos o destino de todos. Mantinha a bola mágica bem escondida, resguardada dos olhos curiosos dos filhos, sabendo que, se alguém a descobrisse, seria fatal.Cada vez tinha mais filhos, de modo que a casa foi ficando cheia de gente. Precisava de a ampliar, mas não dispunha do dinheiro necessário para a obra. Tinha também preocupações. A mãe estava a ficar idosa, com a passagem dos dias, ia parecendo mais cansada. Não adiantava puxar o fio da bola mágica, pois isto só lhe aceleraria a chegada da morte. De repente, ela faleceu, e Pedro, parado diante do túmulo, pensou no modo como a vida passara tão rapidamente, mesmo sem fazer uso do fio mágico.
Uma noite, deitado na cama, sem conseguir dormir, pensando nas suas preocupações, achou que a vida seria bem melhor se todos os filhos já estivessem crescidos e com carreiras encaminhadas. Deu um fortíssimo puxão ao fio, e acordou no dia seguinte vendo que os filhos já não estavam em casa, pois tinham arranjado empregos em diferentes pontos do país, e que ele e a mulher estavam sós. O cabelo estava quase todo branco e doíam-lhe as costas e as pernas quando subia uma escada, ou os braços quando levantava uma viga mais pesada. Lise também envelhecera, e estava quase sempre doente. Ele não aguentava vê-la sofrer, de tal forma que lançava mão do fio mágico cada vez mais frequentemente. Mas sempre que o problema não se resolvia, já outro surgia em seu lugar. Pensou que talvez a vida corresse melhor se ele se aposentasse. Assim, não teria de continuar a subir aos edifícios em obras, sujeito a lufadas de vento, e poderia cuidar de Lise sempre que ela adoecesse. O problema era a falta de dinheiro suficiente para sobreviver. Pegou na bola mágica, então, e ficou a olhar. Para seu espanto, viu que o fio já não era prateado, mas cinza, e perdera o brilho. Decidiu ir para a floresta dar um passeio e pensar melhor no significado de tudo aquilo.Já fazia muito tempo que não ia àquela parte da floresta. Os pequenos arbustos haviam crescido, transformando-se em árvores frondosas, e foi difícil encontrar o caminho que costumava percorrer. Acabou por chegar a um banco no meio de uma clareira. Sentou-se para descansar e caiu num sono leve. Foi despertado por uma voz que o chamava pelo nome:
— Pedro! Pedro!
Abriu os olhos e viu a mulher que encontrara havia tantos anos e lhe dera a bola prateada com o fio dourado mágico. Aparentava a mesma idade que tinha no dia em questão, exactamente igual. Ela sorriu-lhe.
— E então, Pedro, a tua vida foi boa? — perguntou.
— Não tenho a certeza — disse ele. — A sua bola mágica é maravilhosa. Nunca na minha vida tive de suportar qualquer sofrimento ou esperar por qualquer coisa na minha vida. Mas tudo foi tão rápido. Sinto como se não tivesse tido tempo de apreender tudo que se passou comigo; nem as coisas boas, nem as más. E agora falta tão pouco tempo! Já não ouso puxar o fio, pois isso só anteciparia a minha morte. Acho que o seu presente não me trouxe sorte.
— Mas que falta de gratidão! — disse a mulher — Gostarias que as coisas fossem diferentes?
— Talvez se me tivesse dado uma outra bola, em que eu pudesse puxar o fio para fora e para dentro também. Talvez, então, eu pudesse reviver as coisas más.A mulher riu-se.
— Estás a pedir muito! Achas que Deus nos permite viver as nossas vidas mais de uma vez? Mas posso conceder-te um último desejo, seu tolo exigente.
— Qual? — perguntou ele.
— Escolhe — disse ela.
Pedro pensou bastante.Ao fim de bastante tempo, disse:
— Gostaria de voltar a viver a minha vida, como se fosse a primeira vez, mas sem a sua bola mágica. Assim, poderei experimentar as coisas más da mesma forma que as boas, sem encurtar a sua duração. Pelo menos, a minha vida não passará tão rapidamente e não se parecerá com um devaneio.
— Seja — disse a mulher. — Devolve-me a bola.
Ela esticou a mão e Pedro entregou-lhe a bola prateada. Em seguida, ele recostou-se e fechou os olhos, exausto.Quando acordou, estava na sua cama. A sua jovem mãe debruçava-se sobre ele, tentando acordá-lo carinhosamente.
— Acorda, Pedro, não vás chegar atrasado à escola. Estavas a dormir como uma pedra!Ele olhou para ela, surpreendido e aliviado.
— Tive um sonho horrível, mãe. Sonhei que estava velho e doente e que minha vida passara como num piscar de olhos sem que eu sequer tivesse ficado com algo para contar. Nem ao menos algumas lembranças.A mãe riu-se e fez que não com a cabeça.
— Isso nunca vai acontecer — disse ela. — As lembranças são algo que todos temos, mesmo quando velhos. Agora, anda, vai-te vestir. A Lise está a tua espera, não deixes que ela se atrase por tua causa.
A caminho da escola, em companhia da amiga, observou que estavam em pleno Verão e que fazia uma linda manhã, uma daquelas em que era óptimo estar-se vivo. Em poucos minutos, estariam a encontrar os amigos e colegas, e mesmo a perspectiva de enfrentar algumas aulas não parecia tão desagradável assim. Na verdade, ele não cabia em si de contente.
William J. Bennett
O Livro das Virtudes
Editora Nova Fronteira, 1995
Adaptação

7 comentários:

Raul Martins disse...

É o "CARPE DIEM!" que tem ido de mão em mão pela tribo. Mais uma parábola de vida! Há um tempo para tudo debaixo do sol! E cada coisa boa e menos boa que a vida nos dá é para ser saboreada. Obrigado pela partilha.

E, mais uma vez, carpe diem"

BC disse...

Bom avó!
Acho que conheço a história,é uma grande lição de vida, certamente encaixará em muita gente, como muitas outras histórias.
AS HISTÓRIAS REPETEM-SE AO LONGO DOS TEMPOS,MAS AS PESSOAS SÃO NO FUNDO SEMPRE AS MESMAS...
Eu também partilho consigo estas sábias palavras e subscrevo.
BEIJINHOS ENCALORADOS AQUI DE CASCAIS (está mesmo calor).
Até logo!!!

ematejoca disse...

Uma boa história. Bem, também há pessoas que nao querem fios para puxar. Querem estagnar onde estao, e nao moverem nem um bocadinho.
Penso que esta história vem no "The Moral Compass". Pode ser?

Carmo, a tua história da galinha de ovos azuis, fez-me compreender muita coisa. Obrigada.

Mil beijinhos de um Düsseldorf, onde chove sem parar! Posso por aqui um ponto de exclamacao? Sou doida por eles.

RENARD disse...

:)

Touché Avó!

Beijos e saudações tribais

RENARD disse...

Avó:

Deixei uma história para ler no meu blog. Uma história "à la tribo".

Beijos e obrigada pelo "colinho tribal". :) (acho esta expressão deliciosa) :)

RENARD disse...

Agora nós Avó...

Se algo que não gosto de discutir é religião. Mas deixou-me uma pergunta no comentário que fez ao meu texto e seria mal-educado da minha parte não lhe responder.
Peço desculpa se de alguma forma faltar ao respeito às suas crenças. Não é de todo a minha intenção.
A resposta é a que se segue:

Conheci em tempos um JC em quem acreditava e depositava toda a minha fé nele e na sua família. Quando a vida me começou a "presentear" com perdas insubstituíveis e uma amálgama de dores variadas perdi toda e qualquer vontade de crer nele. Senti-me traída, enganada e despojada de toda a minha fé.
Hoje, com 28 anos, acredito num JC que terá nascido há cerca de 2000 e tal anos na Judeia. Era Judeu e, como os outros da sua religião, vivia subjugado pelo Império Romano. Seria, quiçá, filho adoptivo de Maria e José e, de sangue, seria filho de José de Aritmeia. Por isso, intitular-se o rei dos Judeus não era em sentido figurado...
Queria o melhor para o seu povo e era um homem de grande coração e bondade. Por isso tantos o seguiam e ouviam as suas palavras de paz.
Quanto ao ter morrido na cruz... Julgo o ter feito para que a sua mulher grávida, Maria Madalena, conseguisse fugir a tempo para o sul de França antes que os ortodoxos a matassem, acabando com a linhagem "real".

Resumidamente, este é o JC que acredito que existiu e que hoje representa uma das maiores religiões do mundo.

Sabe Avó, também tenho colo. E é grande porque meço 1.78m. E ombros?! Xxxxiiiii!!!! Largos que são. A minha alcunha foi durante muito tempo Madre Teresa de Calcutá… Não precisa de explicação, acho eu… Tudo, mas o que quer que seja que precise, conte comigo…

Beijinhos

Fátima André disse...

Renard, não te vou responder porque o teu comentário é para a Carmo. Deixa-me apenas dizer-te uma coisa. Esse Jesus de que falas é o Jesus da história e nós acreditamos nele porque nos transmitiram, porque o lemos nos livros, porque acreditamos nas pessoas que nos falaram dele...
O outro (ou o mesmo, se quiseres), aquele que dizes ter acreditado um dia pela Fé... acreditaste da mesma forma, ou seja, porque te transmitiram, porque leste...
Se calhar tiveste sorte, porque eu nunca tive ninguém que mO desse a conhecer quando era criança, adolescente... e sabes onde O fui encontrar (já escrevi isso no teu blog), mas acrescento, encontrei-O no coração das pessoas. Foi Ele que veio a mim e me abraçou. Não O esperes encontrar por aí de corpo perfeito, a tirar-te o sofrimento, ou a recuperar as tuas perdas... Ele está onde tu não esperas encontrá-LO e quer abraçar-te.
Pensas que eu entendo o meu sofrimento?
Um beijo grande.